01 agosto 2010

Hilda Hilst

Essa lua enlutada, esse desassossego
A convulsão de dentro, ilharga
Dentro da solidão, corpo morrendo
Tudo isso te devo. E eram tão vastas
As coisas planejadas, navios,
Muralhas de marfim, palavras largas
Consentimento sempre. E seria dezembro.
Um cavalo de jade sob as águas
Dupla transparência, fio suspenso
Todas essas coisas na ponta dos teus dedos
E tudo se desfez no pórtico do tempo
Em lívido silêncio. Umas manhãs de vidro
Vento, a alma esvaziada, um sol que não vejo

Também isso te devo.
( Hilda Hislt, Júbilo, memória, noviciado da paixão, p 37)

2 comentários:

  1. hilda é maravilhosa!

    beijo, maeles.

    ResponderExcluir
  2. hehehe

    essa vc me deve, mas eu te devo também tantos poemas, estamos quites :)

    beijos

    ResponderExcluir