25 agosto 2011

Livro Hierofania dos Dedos - Poeta Português Jorge Vicente

26.

não sobrou nenhuma oração
nunca sobra nenhuma oração
quando deus se esquece das
voisas da carne e desagua
dentro de mim.

é talvez o poema que faz isso:
que se enterra, que assalta,
que agride, mas o poema não
interessa, a virtude não existe
e o verso é apenas um homem
e a mulher apenas uma mulher.

o que existe é a água, a sede,
a fome e a necessidade de desaguar
sangue dentro da pele; o ridículo
do miar do gato, a treva, a noite,
a saliva gasta mas que subsiste
no toque da carne.

tudo o mais é ilusão:
as valas da pele na superfície
da cama.

2 comentários:

  1. ah, obrigado, amiga!!!!

    tantas saudades vossas!!!

    muitos abraços!
    jorge

    ResponderExcluir